scaneie o código ou clique aqui

Aula Magna do curso de Educação Física expõe dados sobre inatividade física

Os alunos novatos e os veteranos do curso de Educação Física do Centro Universitário de Itajubá – FEPI participaram da Aula Magna ministrada pela ex-aluna do curso Anna Gabriela Silva Vilela Ribeiro, cujo tema foi: Inatividade Física: um dos maiores desafios de saúde pública do século XXI, ministrada no dia 19/02, às 19h.
Ao longo da palestra, Gabriella alertou os ingressantes do curso sobre os graves problemas de saúde relacionados à inatividade física apresentando o conceito de inatividade física, que é “diminuição do movimento corporal que resulte na redução do gasto energético em relação ao nível basal e o não cumprimento das diretrizes de atividade física”. Enquanto que atividade física é “qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que resulte em gasto energético”.

A palestrante expos dados que mostram que, em 2016, 27.5% da população mundial não contemplava a diretriz de atividade física global estipulada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que determina o mínimo de 10 minutos por dia de atividade física. O sedentarismo foi ainda, o responsável por 5,8% das doenças coronárias, 7,2% diabetes tipo II, 10,1% câncer de mama, 10,4% câncer de cólon, e 9,4% mortalidade por todas as causas. A eliminação da inatividade física resultaria em um ganho de 0,68 anos na população mundial.

A responsabilidade dos educadores físicos é grande, mas ainda há muito o que fazer para reverter esses dados tão preocupantes; a OMS tem a meta de reduzir em 10% a inatividade física até 2025 e, para isso, será necessário a intervenção dos profissionais auxiliando na eliminação dos fatores que impedem as pessoas de se exercitarem.

Apesar das dificuldades nítidas para uma vida mais ativa: tecnologia promovendo mais conforto e menos esforços, Gabriella citou um contraponto, a contribuição que a tecnologia pode proporcionar como, por exemplo, os marcadores de passos, disponíveis em aplicativos de smartphones e relógios. E esclareceu que: “5 mil passos por dia considera-se um estilo de vida sedentário; 5.000 a 7.499 – Fisicamente inativo; 7.500 a 9.999 – Moderadamente ativo; 10.000 a 12.499 Fisicamente ativo e 12.500 muito ativo.

Atento ao que foi dito, o aluno José Eduardo Barbosa Santos do 1º período do curso de Educação Física disse: “Fomos esclarecidos sobre como é séria essa questão da inatividade física, o quanto ela precisa ser combatida e, com isso, os resultados serão: menos gastos públicos com saúde e benefícios pessoais; muito mais do que uma questão para tratarmos como futuros profissionais da área, essa é uma questão humanitária”.

O coordenador do curso, Prof. Dr. Alexandre de Souza e Silva, ressaltou a importância do tema, parabenizou a ex-aluna pela palestra, lembrando de seu empenho ao longo da graduação e concluiu a aula magna desejando sucesso para os alunos ingressantes.