scaneie o código ou clique aqui

Projeto Integrador do curso de Medicina Veterinária instrui cerca de 470 produtores rurais e seus familiares

O Centro Universitário de Itajubá – FEPI, por meio da disciplina de Projeto Integrador: Bioestatística e Extensão Rural do curso de Medicina Veterinária, realizou um ciclo de palestras direcionadas aos produtores rurais dos municípios de Wenceslau Brás, Pedralva, Maria da Fé, Cristina, Conceição das Pedras, Delfim Moreira e Itajubá, no período de 03 de outubro a 21 de novembro de 2019 e atingindo um total de 470 pessoas.

O objetivo das palestras foi transmitir conhecimentos técnicos e práticos aos produtores rurais, facilitando assim, sua vida de campo.

VI DIA DE CAMPO – AGRICULTURA FAMILIAR

O VI Dia de Campo para Agricultura Familiar iniciou com uma oração e apresentação dos responsáveis pelo evento. O primeiro tema da apresentação pela EMATER- MG foi sobre a Patrulha Agrícola Municipal, logo após os trabalhos da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente da Prefeitura de Piranguçu, foi abordado o tema “Programa Municipal de Correção de Solo “.

Após as apresentações iniciamos o evento, nas apresentações dos alunos os produtores rurais  foram distribuídos de acordo com as quatro estações, dividas em cores: amarelo, vermelho, azul e verde.

As estações e seus respectivos temas foram:

Estação 1 Intoxicação Por Samambaia

  • A Samambaia do campo é uma planta perene, herbácea, invasora das pastagens. A prática de queimadas facilita a sua proliferação. Outro fator que auxilia no seu desenvolvimento são solos que possuem pH baixo, pobres em fósforo e arenosos. É uma planta com alta toxidade, onde a intoxicação pode levar ao aparecimento de algumas enfermidades sendo elas: Síndrome Hemorrágica Aguda (SHA), Hematúria Enzoótica Bovina (HEB) ou presença de Carcinoma no Sistema Digestório e Urinário do animal. Não há tratamento para essa afecção. Sendo a melhor forma de evitar a doença a prevenção da proliferação da Samambaia, por meio do manejo correto das pastagens, adubação do solo e vistoria contínua da área onde o animal se encontra.
  • Estação 2 Morfologia da Vaca Funcional
    • Uma vaca de leite funcional é aquela que tem uma boa produção aliada a pequenos índices de problemas de saúde, uma vaca resistente, longeva, que suporte várias lactações e tenha um baixo custo de manutenção, garantindo assim mais lucro ao produtor rural. Como vaca funcional para a região de Piranguçu, foi escolhida a raça Girolando, pois é um animal mais resistente e forte, que se adapta melhor no modelo de produção da região, o extensivo (somente a pasto) e o semiextensivo (pasto mais suplementação no cocho). Para avaliar se uma vaca é funcional devem ser analisados diversos parâmetros, como exemplo: o úbere que determinará se a vaca será longeva, aprumos e força que garante que a vaca consiga ir em busca de seu alimento, garupa que auxilia em um parto mais fácil e sem complicações, entre diversos outros parâmetros. É de suma importância a escolha de animais funcionais para propriedade, assim o produtor consegue diminuir os índices de problemas de parto, retenção de placenta, gastos com medicamentos e aumento da produtividade, tendo como resultado um maior lucro.

Estação 3 ► Instruções Normativas N° 76 e 77

  • As Instruções Normativas 76 e 77 trazem muitas novidades para todas as etapas produtiva do leite, desde a produção até os critérios finais da qualidade do leite. Elas foram publicadas no dia 30 de novembro de 2018 e entraram em vigor na passagem de maio para junho de 2019. Os proprietários que não se atentarem aos parâmetros das novas instruções normativas, não terão a oportunidade de vender o seu produto para nenhuma empresa que utilize da compra do leite, por isso a importância  do seguimentos corretos das normativas garantem a contínua melhoria de sua produção.

Estação 4 Criação de Bezerras e Novilhas Leiteiras

  • A diarreia é um distúrbio no qual as fezes se apresentam com maior concentração de água e menor conteúdo de matéria seca. Essa enfermidade é causada por anormalidades da peristalse, geralmente associadas com anormalidades da segmentação, ou o aumento dos movimentos peristálticos diminuindo o trânsito intestinal, fazendo com que o tempo de absorção de água seja insuficiente. Sendo assim, uma forma de evitar a perda econômica e o prejuízo da produção é a colostragem correta e também o manejo das bezerras. Desta forma, o colostro é o primeiro leite que as bezerras devem consumir, pois neste está presente os anticorpos da mãe, os quais irão fazer a defesa do organismo da bezerra até que seu sistema imunológico esteja pronto. Além disso, vai auxiliar na maturação do estômago das bezerras, fazendo com que o rumem se desenvolva e atinja a maturidade, possibilitando assim o fechamento da goteira esofágica. A grande importância em uma higienização adequada do local onde os animais ficaram, a fim de evitar que outras doenças se disseminem e também para que ocorra um bem estar destes animais culminando em uma melhor produção futura e diminuindo riscos de prejuízos futuros.